domingo, 23 de novembro de 2008

E se uma lágrima rolar


Lágrimas, num instante elas rolam, e nem ao menos sabemos porque, derrepente por proteção ou por alegria, por solidão,ou aquela dor que de tanto sentir já nos acostumamos e calejamos; pela alegria de ver as coisas acontecerem sem que esperássemos por elas, ou até esperamos, mas depois de tanto tempo já havíamos até esquecido, mas elas sempre estiveram ali; rolam às vezes por aquele amor que esquecemos, ou às vezes não esquecemos, mas de tantas decepções achamos que já não somos capazes de amar novamente; rolam por achar que aquele amigo,ou companheiro não é mais o mesmo, e por vezes até é, mas de tanto tempo de convivência achamos que tudo deve ser como o começo e não vemos que as coisas mudam e nem todos os sentimentos de afeto são demonstrados por longas conversas ou enormes sorriso; rolam por aquele medo que achamos que perdemos, mas só achamos, porque ele está ali nos esperando para ensinar que não devemos jamais perder todos os nossos medos, e sim aprender e nos surpreender com eles; rolam depois de ouvir aquela música que nos lembra de tantas coisas boas. A lágrima, companheira do tempo, nada melhor do que um desabafo consigo mesmo é capaz de mudar um dia ou um humor, e nenhum sentimento importante o bastante é capaz de fugir do rolar de uma lágrima aquela lágrima que é capaz de mostrar pra você mesmo o quanto aquele momento sentimento, pessoa... é, foi ou será importante. Chorar faz bem... limpa a alma, saúda a mente e acalma o corpo.