quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Se arrependimento matasse...


Tantas coisas fazemos, dizemos, pensamos; e de quantos por cento dessas coisas nos damos ao luxo de nos arrependermos. De muitas pessoas já ouvi o termo "Ah! se eu não tivesse feito aquilo", ou "Se eu pudesse voltar atrás, não faria de novo". Não sei se pode ser considerada uma boa teoria, então, vou chamar de tese; Qual o objetivo de um arrependimento? O que ele vai trazer pra sua vida? Um peso na consciência, e remorso. Só isso, mais nada! Por isso é muito mais fácil levar o suposto erro como um aprendizado, quer melhor façanha? Assumo que por muitas e muitas vezes me arrependi de muitas coisas, e sofri muito por isso. Ficava me martirizando, imaginando como estaria minha vida se nada daquilo tivesse acontecido, mas pra absolutamente nada! porque de tanto me crucificar por um erro passado não mudou em nada o meu futuro! Já foi feito e ponto! Me vi dando esse conselho à uma amiga hoje, justamente numa semana em que eu deveria estar apavorada por um pseudo-erro que eu fiz domingo, mas aprendi o macete de não me preocupar mais com o feito, só com o que está para se fazer. É muito difícil fazer isso, esquecer que pode ter sido errado, que poderia ter sido diferente, mas não é impossível, e posso dizer com a mais pura certeza que o arrependimento é o maior meio que temos de nos julgarmos, afinal não há coisa pior do que assumir um erro próprio e saber que não há como voltar atrás. E é justamente por não poder voltar atrás que não tenho medo de jogar um pano em cima e seguir em frente, com a mais pura certeza de que eu tentei, e se não deu certo, era porque não era pra ser; e ao mesmo tempo, se não certo, esse é um exemplo a se seguir de não ser repetido.

Na vida tudo tem um tempo pra passar
Pelo menos eu tentei
Pelo menos me esforcei pra ficar contigo
Hoje penso em te escrever
Penso em te encontrar
Penso em ter você
Penso em me afastar
Pelos menos eu tentei
E até que tentei demais, mas

Pelo menos eu tentei chorar
Mas acontece que a vida não me deixa desabar
Não vou beijar concreto
Tá tudo certo
Tá tudo em paz.