quarta-feira, 22 de setembro de 2010


Não desista!


Quando as coisas não vão bem, como pode acontecer,
Quando a estrada só vai para cima e nunca parece descer,
Quando o dinheiro é pouco, e as dívidas como o mar,
Quando se quer sorrir, mas só se pode chorar,
Quando há cuidados que nos querem oprimir,
É preciso descansar, mas nunca desistir!
Com suas reviravoltas, a vida vai correndo
E todos nós acabamos aprendendo
Que muitos dos nossos erros poderiam ser evitados
Se tivéssemos persistido e não desanimado.
Não desista então, mesmo que a coisa não caminhe,
Você pode vencer, com só mais uma forcinha!
Sucesso não passa de fracasso às avessas,
É o brilho que se vê ao redor das nuvens mais espessas.
Você nunca sabe se está prestes o seu alvo de atingir,
Pode estar chegando, embora não o possa discernir;
Portanto, continue lutando quando a dura luta chegar,
Quando tudo parece pior é que você não pode desanimar!

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Bem que me avisaram


No começo tudo são flores, mas depois? Depois vem as pragas da plantação. E o pior é que eu fui avisada, desde o princípio.
Ouvi muitos conselhos, mas não queria acreditar, aliás, não queria nem ouvi-los de verdade, apenas escutar sem absorver e muito menos interpretar. E eu sempre debatia, ele não é bonito (não que beleza seja um fator predominante pra uma esolha minha) mas é legal, a família dele é rigorosa mas ele se esforça pra me defender, ele trabalha muito mas, sempre que pode me dá atenção, ele não é dos mais inteligentes mas, é engraçado. E assim, uma coisa ia substituindo a outra, mas no fundo eu sabia, no fundo eu sempre soube que era verdade, que meu comportamente muitas vezes era agressivo, minhas tentativas de mudar ele de qualquer forma, os ataques de raiva, a falta de vontade de tudo, eu sabia que isso não era normal, sabia que existia um fundo naquilo tudo.
Hoje, meses depois eu descobri que era só a minha vontade de ter alguém que ele não era, era meu anseio de exigir por algo que eu sabia que ele nunca poderia me dar e muito menos que ele poderia ser, hoje eu posso ver claramente que não era ele que me fazia feliz e sim uma situação cômoda pras ambas as partes de ter alguém por perto sempre que precisasse, seja pra brigar, pra estar junto, ou até mesmo pra odiar seus defeitos. Faltava paixão, derrepente até amor, faltou fogo, calor, intensidade, faltaram as almas porque pelo visto elas se rejeitaram desde o principio. Contudo, é impossivel saber se um dia haverá alguém em que eu não veja defeitos, ou melhor, alguém que eu não queira mudar em nada, menos ainda os defeitos.
Ou seja, não é questão de ele não ser bom, ou eu não ser boa o suficiente é só uma questão de não sermos suficientes para completarmos um ao outro, ele é o cara ideal sim, mas não pra mim, e eu certamente sou perfeita, mas não pra ele, ou para ninguém, ou até sou imperfeita, mas um dia há quem ame até as minhas imperfeições.

E mesmo assim eu continuo a querer aquele que era cheio de defeitos e odiava minhas imperfeições.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

A inocência do prazer

Já passou, fomos perdoados por todos os deuses do amor. Acabou, podemos ser claros como era antes, seja lá como for. Alguém tentou desesperadamente sentir algo decente. Sou feliz, pois já fui julgada daqui pra frente, tudo é meu. Então fala baixo, fala baixo e sente eu vou te dar um presente.
Vento novo, flores e cores. Fim do verão tropical, novos ares, novos amores. Tudo volta ao seu estado normal, sou feliz e trago as provas nos meus olhos molhados e vejo a vida tão diferente.
"Eu já posso entender a inocência do prazer"

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Ter ou não ter namorado


Quem não tem namorado é alguém que tirou férias de si mesmo. Namorado é a mais difícil das conquistas. Difícil porque namorado de verdade é muito raro.
Necessita de adivinhação, de pele, saliva, lágrimas,nuvens, quindim, brisa, de filosofia.Paquera, gabiru, flerte, caso, transa, envolvimento,
até paixão, é fácil. Mas namorado, mesmo, é difícil. Namorado não precisa ser o mais bonito, mas aquele a quem se quer proteger e quando se chega ao lado dele a gente treme, sua frio e quase desmaia pedindo proteção. A proteção não precisa ser parruda, decidida, ou bandoleira: basta um
olhar de compreensão ou mesmo de aflição.
Quem não tem namorado não é quem não tem um amor: é quem não sabe o gosto de namorar. Se você tem três pretendentes, dois paqueras, um envolvimento e dois amantes, mesmo assim não tem namorado.
Não tem namorado quem não sabe o gosto da chuva, cinema sessão das duas,medo do pai, sanduíche de padaria e drible no trabalho. Não tem namorado quem transa sem carinho, quem se acaricia sem vontade de virar sorvete ou lagartixa e quem ama sem alegria. Não tem namorado quem faz pactos de amor apenas com a infidelidade. Namorar é fazer pactos com a felicidade ainda que rápida, escondida, fugidia ou impossível de durar.
Não tem namorado quem não sabe o valor de mãos dadas, de carinho escondido na hora que passa o filme, de flor catada no muro e entregue de repente, de poesia de Fernando Pessoa, Vinícius de Morais ou Chico Buarque lida bem devagar, de gargalhada quando fala junto ou descobre a meia rasgada, de ânsia de viajar junto para a Escócia ou mesmo de metrô, bonde, nuvem, cavalo alado, tapete mágico ou foguete interplanetário.
Não tem namorado quem não gosta de dormir agarrado, fazer festa abraçado, fazer compra junto. Não tem namorado quem não gosta de falar do próprio amor, nem de ficar horas e horas olhando o mistério do outro dentro dos olhos dele, abobalhados de alegria pela lucidez do amor. Não tem namorado quem não redescobre a sua criança e a do amado e sai com ela para parques, zoológicos, fliperamas, beira d’água, show de Milton Nascimento, bosques enluarados, ruas de sonhos ou musical de metrô.
Não tem namorado quem não tem música secreta com ele, quem não dedica livros, quem não recorta artigos, quem não se chateia com o fato de seu amado ser paquerado. Não tem namorado quem nunca sentiu o gosto de ser lembrado
de repente no fim de semana, na madrugada ou ao meio dia de sol em plena praia cheia de rivais.
Não tem namorado quem ama sem se dedicar, quem namora sem brincar, quem vive cheio de obrigações, quem faz sexo sem esperar o outro ir junto com ele.
Não tem namorado quem confunde ficar sozinho com ficar em paz. Não tem namorado quem não fala sozinho, não ri de si mesmo e quem tem medo de ser afetivo.
Se não tem namorado porque não descobriu que o amor é alegre e você vive pesando duzentos quilos de grilos e medos. Se você não tem namorado é porque ainda não enlouqueceu aquele pouquinho necessário a fazer a vida parar e de repente parecer que faz sentido.

(Carlos Dummont de Andrade)

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

HOJE EU TÔ SOZINHA!


Hoje eu tô sozinha e não aceito conselho, vou pintar minhas unhas e meu cabelo de vermelho...
Hoje eu tô sozinha. Não sei se me levo ou se me acompanho, mas é que se eu perder... eu perco sozinha, mas é que se eu ganhar... aí, é só eu que ganho. Hoje eu não vou falar mal nem bem de ninguém.
Logo agora que eu parei, parei de te esperar, de enfeitar nosso barraco, de pendurar meus enfeites, te fazer o café fraco! Parei de pegar o carro correndo, de ligar só prá você, de entender sua família e te compreender. Hoje eu tô sozinha e tudo parece maior mas é melhor ficar sozinha que é prá não ficar pior...
E já que eu tô só, não sei se me levo ou se me acompanho. Mas é que se eu perder, eu perco sozinha e se eu ganhar... Aí é só eu que ganho!

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Our love is broken


I never needed your corrections on everything from how I act to what I say, I never needed words, I never needed hurt, I never needed you to be there everyday. I'm sorry for the way I let go of everything I wanted when you came along but I am never beaten. Broken, not defeated. I know next to you is not where I belong and it's a little late for explanations there isn't anything that you can do and my eyes hurt, hands shiver, so you will listen when I say: Baby, I don't want to stay another minute, I don't want you to say a single word there is no other way I get the final say. No more words, no more lies, no more crying, no more pain, no more hurt, no more trying.

(Hush hush)

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Quando fui chuva - Maria Gadú


Quando já não tinha espaço, pequena fui onde a vida me cabia apertada. Em um canto qualquer, acomodei minha dança, os meu traços de chuva. E o que é estar em paz pra ser minha sem ser tua? Quando já não procurava mais pude enfim nos olhos teus, vestidos d'água, me atirar tranquila daqui, lavar os degraus, os sonhos, as calçadas.
E, assim, no teu corpo eu fui chuva ... jeito bom de se encontrar!
E, assim, no teu gosto eu fui chuva ... jeito bom de se deixar viver! Nada do que fui me veste agora sou toda gota, que escorre livre pelo rosto e só sossega quando encontra tua boca. E, mesmo que eu te perca, nunca mais serei aquela que se fez seca vendo a vida passar pela janela.