quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Quando fui chuva - Maria Gadú


Quando já não tinha espaço, pequena fui onde a vida me cabia apertada. Em um canto qualquer, acomodei minha dança, os meu traços de chuva. E o que é estar em paz pra ser minha sem ser tua? Quando já não procurava mais pude enfim nos olhos teus, vestidos d'água, me atirar tranquila daqui, lavar os degraus, os sonhos, as calçadas.
E, assim, no teu corpo eu fui chuva ... jeito bom de se encontrar!
E, assim, no teu gosto eu fui chuva ... jeito bom de se deixar viver! Nada do que fui me veste agora sou toda gota, que escorre livre pelo rosto e só sossega quando encontra tua boca. E, mesmo que eu te perca, nunca mais serei aquela que se fez seca vendo a vida passar pela janela.