segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Bem que me avisaram


No começo tudo são flores, mas depois? Depois vem as pragas da plantação. E o pior é que eu fui avisada, desde o princípio.
Ouvi muitos conselhos, mas não queria acreditar, aliás, não queria nem ouvi-los de verdade, apenas escutar sem absorver e muito menos interpretar. E eu sempre debatia, ele não é bonito (não que beleza seja um fator predominante pra uma esolha minha) mas é legal, a família dele é rigorosa mas ele se esforça pra me defender, ele trabalha muito mas, sempre que pode me dá atenção, ele não é dos mais inteligentes mas, é engraçado. E assim, uma coisa ia substituindo a outra, mas no fundo eu sabia, no fundo eu sempre soube que era verdade, que meu comportamente muitas vezes era agressivo, minhas tentativas de mudar ele de qualquer forma, os ataques de raiva, a falta de vontade de tudo, eu sabia que isso não era normal, sabia que existia um fundo naquilo tudo.
Hoje, meses depois eu descobri que era só a minha vontade de ter alguém que ele não era, era meu anseio de exigir por algo que eu sabia que ele nunca poderia me dar e muito menos que ele poderia ser, hoje eu posso ver claramente que não era ele que me fazia feliz e sim uma situação cômoda pras ambas as partes de ter alguém por perto sempre que precisasse, seja pra brigar, pra estar junto, ou até mesmo pra odiar seus defeitos. Faltava paixão, derrepente até amor, faltou fogo, calor, intensidade, faltaram as almas porque pelo visto elas se rejeitaram desde o principio. Contudo, é impossivel saber se um dia haverá alguém em que eu não veja defeitos, ou melhor, alguém que eu não queira mudar em nada, menos ainda os defeitos.
Ou seja, não é questão de ele não ser bom, ou eu não ser boa o suficiente é só uma questão de não sermos suficientes para completarmos um ao outro, ele é o cara ideal sim, mas não pra mim, e eu certamente sou perfeita, mas não pra ele, ou para ninguém, ou até sou imperfeita, mas um dia há quem ame até as minhas imperfeições.

E mesmo assim eu continuo a querer aquele que era cheio de defeitos e odiava minhas imperfeições.